A função do poder nas empresas

A função do poder nas empresas

A função do poder nas empresas

Isabela Accorsi Gianini
Marketing Team
3 minutos de leitura

Há nas empresas, um movimento de redução de pessoas em prol de tornar o processo mais simples, mais eficaz. Há, ainda, um movimento por parte dos gerentes e executivos de juntarem-se a empresas menores em busca de ambientes com menor dinâmica de poder e menor incidência de problemas de natureza política. Afinal, quanto mais gente, mais problemas de compensação, incentivo, monitoramento, seleção, treinamento, e etc, para as empresas e maiores as “politicagens” que tornam o dia-a-dia do funcionário mais complexos, certo? 

Não necessariamente. 

Para estudiosos de comportamento organizacional como Pfeffer e John Gardner (Harvard Business), ao evitar lidar com os problemas de pessoas em grandes organizações e as dinâmicas de influência e poder, cria-se um problema organizacional sistêmico ainda maior: a quase treinada ou produzida incapacidade de alguém que não tenha um cargo de diretor de agir e fazer acontecer. 

Quantos líderes sofrem com o velho problema de falta de iniciativa de seus funcionários, e quantos gerentes não deixam de falar o que estão vendo, mesmo que seja essencial para a sobrevivência da empresa? A compreensão de que a habilidade de colocar a mão na massa é tão importante quanto saber o que fazer – isto é, o operacional é tão importante quanto a liderança -, é um elemento fundamental para o sucesso de qualquer organização. Vale ressaltar que, na maior parte dos casos, o problema enfrentado pouco tem a ver com falta de insights ou inteligência organizacional, mas sim com a passividade.

No evento INBOUND, promovido pela nossa parceira, Hubspot, em 2020, o apresentador e comentarista político do CNN, Van Jones, descreveu o caso como “The Awesome People Problem”: muitas pessoas com potencial de gerar mudanças reais e incríveis no mundo e nas organizações, simplesmente não sabem como fazer acontecer – ou, em alguns casos, são aversas ao poder e, assim, fogem da liderança. 

Liderança envolve a habilidade e a vontade de desenvolver, e exercer poder e influência. E o que é poder? 

“Poder: a energia básica para iniciar e sustentar a ação, transformando intenção em realidade, a qualidade sem a qual líderes não podem liderar (…) poder é o elemento mais necessário e mais desacreditado do processo humano (…)” essa é a definição feita pelos estudiosos americanos, Bennis e Nanus.

Ainda, segundo o ex-presidente americano, Richard Nixon: “um líder deve lidar com as pessoas e as nações como elas são, e não como elas deveriam ser. Como resultado, as qualidades requisitadas para um líder não são necessariamente as que nós queremos que nossos filhos possuam – a não ser que queiramos que eles sejam líderes”.

É impossível negar que poder é necessário para a liderança, mas ainda assim, somos, como sociedade, ambivalentes em nossa relação com o poder, o que pode ser explicado por alguns fatores:

  • Pode ser que os fins não justifiquem os meios, mas tão pouco os descredibiliza, conforme fomos ensinados. Poder e processos políticos, nada mais são do que um importante processo social frequentemente necessário para alcançar metas em sistemas interdependentes.
  • Na escola, aprendemos que se formos bem em nossas matérias, pouco importa o sucesso do outro. Entretanto, em organizações o sucesso de um depende diretamente e indiretamente do sucesso do outro. É um esporte de equipe;
  • Somos ensinados que há um certo e um errado, quando a vida é, na verdade, um compilado de problemas de dimensões diversas que causam certos e errados dependendo da perspectiva de quem avalia e em qual horizonte de tempo;

Por fim, podemos dizer que para que todos assumam uma atitude de liderança nas organizações, é necessário que tanto líderes quanto equipes entendam que poder é, acima de tudo, uma responsabilidade. A aversão ao combustível da mudança precisa deixar existir tanto top-down E bottom-up. Como muitas relações interdependentes, essa é uma relação diretamente proporcional de benefícios mútuos.

 

Leia mais sobre liderança, gestão e metodologias:

Os cinco mindsets de um gestor

Design Thinking: Metodologia e gestão

O PDCA aplicado ao Brand Sprint e/ou ações de growth

MVP: O que é e por que aplicá-lo no design

 

Artigos Recentes

Gostou?

Curta ou nos mande seu feedback!

0

Mais lidos

Newsletter

Insights,
Ideias &
Inspirações

Inscreva-se na nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos sobre o universo de Marca, Negócio, Marketing e Comunicação em sua caixa de entrada.

Leia nossa Política de Privacidade